sexta-feira, 30 de maio de 2014

Lançado o “Dicionário do Baixadês”, de Flávio Braga

Flávio Braga ladeado por amigos que prestigiaram o lançamento do seu livro
Foi muito concorrida a solenidade de lançamento do livro “Dicionário do Baixadês”, do advogado e Professor Flávio Braga. A obra, que resultou de alguns anos de pesquisa e coleta de termos e expressões linguísticas faladas nos municípios da Baixada maranhense, agradou e atendeu às expectativas de quem foi a AABB, local de lançamento do livro.

A solenidade atraiu muitos conterrâneos da Baixada maranhense, além de autoridades, políticos, e membros da imprensa.

O livro reúne inúmeros verbetes que caracterizam ao longo de muitas gerações o falar do baixadeiro. Além de registrar um incontável número de expressões e corruptelas linguísticas de antropônimos.

Este é o terceiro livro já publicado pelo autor Flávio Braga, que é natural da cidade baixadeira de Peri-Mirin, mas que se considera muito joanino. As duas anteriores produções estão direcionado ao conhecimento jurídico. Desta feita, Flávio quis homenagear a região em que nasceu e que conhece muito bem.


Flávio Braga em momento de autógrafo
O Dicionário do Baixadês tem apresentação do Prefeito de Viana, Francisco Gomes (Chico Gomes) e prefácio do escritor Vavá Melo, presidente da Academia Sãobentoense de Letras. O livro traz também um bom número de fotografias registradas pela lente do fotógrafo Herberth Figueiredo acerca de lugares, artefatos, elementos da fauna e flora baixadeira que caracterizam toda a região, bem como crônicas e poemas que enlevam a região e o trabalho do autor em outras frentes. 


Outras solenidades para lançamento também foram agendadas para os municípios de Viana (13/06), São João Batista (14/06) e Pinheiro (23/06).  Em São Luís o livro está sendo vendido na livraria do advogado, no Tropical Shopping Center.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Parabéns Deputada....

Deputada Federal Antonia Lúcia / PSC-AC
O Projeto de Emenda a Constituição, (PEC) 304/13, de autoria da deputada Antônia Lúcia (PSC-AC) extingue auxílio a criminosos, caso do auxílio reclusão, e cria benefício para vítimas e familiares de vítimas de crimes no valor de um salário mínimo por mês.
Em suma o projeto visa inverter a atenção prestada pelo Estado, mudar o foco, que atualmente é somente para criminosos, que além de cometerem crimes ainda tem direito a um auxílio financeiro para sua família enquanto estiver preso. A deputada argumenta que se é pra ajudar, que seja as vítimas e não os bandidos. O projeto está em tramitação na câmara. (para ter mais informações sobre este projeto, acesse o site da Câmara)

Auxílio aos dependentes de criminosos

Em vigor atualmente, o auxílio-reclusão é um benefício devido aos dependentes de trabalhadores que contribuem para a Previdência Social. É pago enquanto o segurado estiver preso sob regime fechado ou semiaberto e não receba qualquer remuneração.
O cálculo do benefício é feito com base na média dos salários-de-contribuição do preso, e só é concedido quando esse salário for igual ou inferior a R$ 971,78, em atendimento ao preceito constitucional de assegurar o benefício apenas para quem tiver baixa renda.

Inversão de valores

Realmente é um absurdo a inversão de valores que ocorre nesse país. Direitos humanos que dispõe sua atenção quase que exclusivamente para criminosos. Enquanto isso, alguns poucos políticos que ainda não foram corrompidos pelo câncer da corrupção tentam mudar essa realidade, por outro lado, outros querem tornar o país ainda mais perfeito para bandidos atuarem e empreenderem seus negócios criminosos. Segundo alguns jornalistas, um exemplo disto é a proposta de Jean Wyllys que legaliza a maconha também e prevê extinção da pena para traficantes.


domingo, 25 de maio de 2014

Para a Coluna do Jersan

(Publicado na Edição de hoje (25/05)do Jornal Pequeno)

Águas de maio

Podemos até achar que as chuvas que caíram e ainda caem neste mês de maio aqui em São Luís e em todo o estado do Maranhão estão demais. Mas não. Está no tempo dela, assim costumam dizer os mais velhos. Afinal de contas já se sentia os efeitos da falta de chuva. Estávamos em plena época chuvosa e ainda não havia chovido o esperado. As muitas fontes estavam secando. A barragem do Batatã estava agonizando, se bem que por lá o problema é outro, além da falta de água. Nos interiores, sobretudo nas áreas rurais, os trabalhadores pediam por chuva para garantir uma boa colheita. Nos campos, os criadores já pensavam num inverno pequeno, e já imaginavam um ano de falta d’água para dar de beber aos seus animais, nos meses de seca. Mas ainda bem que chegou maio e com ele muita chuva. A quantidade de chuva agradou a todos, ou melhor, a quase todos. No nosso caso, o Prefeito Edivaldo Holanda parece não estar muito satisfeito com as fortes chuvas que caem em São Luís. Tudo isto porque fez aparecer e piorar as péssimas condições de infraestrutura em que está a cidade. Fez estampar o quão ineficiente está a Secretaria de Obras do Município. Fez o Prefeito pensar e repensar (assim esperamos), o quanto é preciso fazer por esta cidade, seja na zona urbana, periferia ou mesmo na zona rural. E digo mais, diante do caos que se abateu sobre a ilha de São Luís, os efeitos dessa chuvarada devem levar a sentar na mesa os governos Estadual e municipal dos municípios da grande ilha (São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar), a fim de que sejam definidas as responsabilidades de cada um, os verdadeiros limites de cada município, as obras que possam verdadeiramente integrar toda a área como uma região metropolitana de verdade. É preciso agora mais do que nunca recuperar a grande ilha de São Luís. Cabe ao governo do estado comandar esta tarefa.

Que sirva de lição

Espera-se que as fortes chuvas que caem sobre a capital e sobre o Estado como um todo mostrem aos gestores o quanto as obras de infraestrutura precisam ser bem feitas; o quanto as estradas precisam ser bem compactadas e pavimentadas; o quanto as ruas precisam ser bem asfaltadas; as pontes bem concretadas. Que sirva de lição também que as galerias pluviais devam ser desobstruídas, limpas; que as obras de drenagem superficial e profunda se fazem necessárias; que se aprenda também que devemos preservar os nossos córregos e manter limpos os canais e que não podemos jogar lixo em qualquer lugar. A natureza não perdoa. Ela nos ensina. Ela reclama. Temos que ter, todos nós, governo e povo, a sensibilidade de saber ouvir a voz da natureza. Aprendamos a lição!

É preciso dar um basta!

A onda de violência aqui em São Luís continua grande e isto não é novidade. Mas o que chama a atenção, e é preciso que o governo do Estado dê uma resposta pra isso, consiste no crescente número de roubo de carros e motos a mão armada. O fato pode parecer despercebido mas está chegando a níveis alarmantes. O serviço de inteligência da secretaria de segurança precisa urgentemente cair em campo e desbaratar essa ou essas quadrilhas quem vêm tomando de assalto carros e motos aqui em São Luís. Isto não são fatos ocorridos só na periferia da cidade, onde o sistema de segurança é mais precário, tem-se registro de carros tomados em áreas nobres, vigiadas e monitoradas eletronicamente, como a Litorânea, por exemplo. Estes carros roubados são recuperados? Estes carros estão saindo do Estado? Estão sendo desmanchados? Por que o crescente comércio de “sucatas” em São Luís? A sociedade quer estas respostas. Com a palavra as autoridades competentes...

Dois registros

A Coluna do Jersan (pelo seu titular e interino) registra o aniversário do prefeito de São João Batista, Amarildo Pinheiro, ocorrido no último dia 23 de maio (sexta-feira). O prefeito reuniu seus amigos e correligionários para um brinde. Entretanto uma grande festa está sendo programada para o dia 14 de junho – data em que sua cidade, São João Batista, completa mais um ano de emancipação política. O duplo aniversário será comemorado em grande estilo, com inauguração de obras e ordem de serviço para outras obras a serem construídas ainda este ano no município, início dos festejos do padroeiro e abertura dos festejos juninos. Nossos parabéns...

Acontece neste dia 29 de maio, próxima quinta-feira, o lançamento do mais novo livro do jovem escritor, professor e advogado, Dr. Flávio Braga, intitulado “O dicionário do Baixadês”. O livro resgata o característico falar do povo da Baixada Maranhense, seus costumes, suas tradições, além de textos que versam sobre esta singular região do estado. O lançamento ocorrerá no salão principal da AABB, a partir das 19 horas. Ao nobre amigo Flávio Braga, baixadeiro como nós, desejamos-lhe sucesso.


sexta-feira, 23 de maio de 2014

quarta-feira, 21 de maio de 2014

É preciso amar a cidade...

Sem dúvida é preciso amar a cidade. Ter por ela carinho. Ter por ela cuidado. Desde cedo aprendi isso. E gosto da minha cidade, por isso este “post” com intuito de chamar a atenção das autoridades competentes ou do setor da administração pública que tem o dever, como responsabilidade gerencial, de cuidar destes espaços públicos.

Não é de hoje que os nossos logradouros públicos estão largados à sua própria sorte. Sejam as praças públicas, as áreas de lazer ou até mesmo o nosso único centro de convenções e informática. Outras administrações também relegaram os nosso “cartões postais” ao desmazelo. No que, convenhamos, cometeram e cometem imperdoável erro.

A praça da matriz, construída e bem cuidada na administração do ex-prefeito Jorge Figueiredo, inaugurada  em 1973, não vem tendo a mesma atenção de começo, haja vista a deterioração dos seus espaços, canteiros, luminárias, etc. Sem cuidado e sem vigilância, e mal iluminada, a praça tem servido de curral para éguas e cavalos que, sem serem incomodados, pastam e dormem tranquilamente, deixando um rastro de fedentina e excrementos.

Os transeuntes e moradores das proximidades reclamam da situação e esperam que medidas urgentes sejam tomadas para que a “Praça da Matriz” possa ter o brilho de outras épocas. Do mesmo modo, espera-se que sejam tomadas urgentes ações de recuperação do “centro de convenções” – espaço destinado a pequenos eventos e reuniões -, bem como, do centro de informática.

Praça da Matriz
A cidade não pode se negar a um futuro mais promissor sobretudo à sua juventude, e isto deve ser missão dos que a administram. Assim, esperamos que medidas urgentes sejam tomadas pelo prefeito Amarildo Pinheiro, que até então tem demonstrado sensibilidade com os problemas de sua cidade. Que a Secretaria de Infraestrutura ou Administração (ou a quem o caso está afeto), possa rever a situação das nossas praças e espaços públicos, permitindo uma boa acolhida aos nossos visitantes e munícipes.

Em tempo: a praça da matriz fica em frente à Igreja da Matriz, ao prédio da Prefeitura, ao prédio dos Correios e em frente ao prédio de uma das Escolas mais antigas do município, o antigo Grupo Escolar “Estado de Santa Catarina”, e é palco há muitos anos, dos festejos de São João Batista, padroeiro da cidade, e dos festejos juninos.


sexta-feira, 16 de maio de 2014

O mistério dos ônibus escolares

Do Blog do John Cutrim
Deputados visitam o local onde se encontram os ônibus escolares
É um mistério insondável que um governo guarde ou esconda 64 ônibus escolares que provavelmente não poderiam ter outra serventia que não o transporte escolar. As desculpas de falta de documentação e até de notas fiscais, como se os veículos tivessem sido contrabandeados, só agravam a situação e tornam ainda mais misterioso esse mistério.
E não tem como não se fazer um milhão de perguntas em torno dessa incrível situação. Esses ônibus estavam em São Luís há mais de um ano, guardados, ocultos, para quê? Será que envolvem mais um escândalo de corrupção no governo e por isso não podiam ser entregues? Estavam recolhidos para distribuição no período de campanha?
Pior é que uma tragédia ocorrida no município de Bacuri, que ceifou as vidas de oito crianças, não emocionou o governo para que fizesse a entrega imediata dos veículos. Nesse mato tem coelho e, se duvidar, até caranguejo. O governo precisa dizer o que pretendia fazer com os ônibus escolares. Dá até para pensar que iriam vender em outros estados ou mudar a pintura e usar no transporte de eleitores, por mais absurdas que essas opções possam parecer.
Não falta acontecer mais nada no Maranhão. Ninguém poderia sequer imaginar que 64 ônibus escolares fossem mantidos no pátio durante um ano enquanto as crianças do estado eram transportadas em lombos de caminhonetes. Nem todos os gênios da ficção política reunidos criariam um enredo tão fantástico. Porque até a imaginação humana tem limites.
Depois daquela história da abertura de estradas vicinais na direção de um povoado que nunca existiu vem mais essa! O governo do Maranhão seria capaz de ganhar qualquer Oscar de filmes de mistério do mundo.

(JM Cunha Santos)

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Prefeito Amarildo Pinheiro é recebido pelo Ministro Edson Lobão


O prefeito de São João Batista, Amarildo Pinheiro, foi recebido ontem em Brasília pelo ministro de Minas e Energia do Governo Federal, Edson Lobão, pai do pré-candidato ao Governo do Maranhão, Edinho Lobão. O encontro faz parte da programação da XVII Marcha dos Prefeitos, que o gestor da nossa cidade está participando desde segunda-feira na capital federal.
Na oportunidade, o prefeito agradeceu a receptividade e aproveitou para ter um longo bate papo com o ministro, onde discutiram projetos para a nossa cidade.  Amarildo traçou, em breves palavras, as dificuldades do municipalismo, que enfrenta a sua pior crise da história, nas palavras do progressista e compartilhado pelo ministro de Minas e Energia.
Depois disso, o nosso gestor solicitou apoio não só do seu ministério, mas como nos outros, devido a forte influência de Lobão no Governo Federal. Uma das demandas pedidas foi o melhoramento da iluminação elétrica em pelo menos 8 povoados de São João Batista, para eliminar de uma vez por todas as gambiarras elétricas, beneficiando aproximadamente 125 famílias joaninas. Reivindicação essa que foi imediatamente atendido e protocolado com urgência por Lobão.
Outras solicitações de apoio junto ao Governo Federal foram requisitadas pelo prefeito Amarildo Pinheiro durante sua visita ao Ministério de Minas e Energia como apoio a projetos nas áreas de Educação, Saúde, Transporte, Infraestrutura, Turismo e Desenvolvimento Urbano. Outro fato que foi bastante conversado foi a situação política do prefeito. Amarildo confirmou seu apoio ao pré-candidato Edinho Lobão e disse que seguirá junto nas eleições de outubro.
MARCHA DOS PREFEITOS
O prefeito de São João Batista, Amarildo Pinheiro, viajou na manhã desta segunda-feira (12) à Brasília, onde participa da XVII marcha dos prefeitos que acontece na capital federal de 12 a 15 de maio. Milhares de gestores municipais – de todas as regiões do Brasil – confirmaram que estarão em Brasília nestes dias em defesa dos Municípios.
Problemas, dificuldades e limitações são registrados pela maioria absoluta das prefeituras, e por esse motivo o evento reúne anualmente prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, representantes dos governos estadual e federal e especialistas. Em conversa com o Portal Folha de SJB, Amarildo disse que estará ao lado do deputado Waldir Maranhão visitando ministérios, principalmente o da Educação, Turismo, Saúde e das Cidades.
Liderada pelo presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, a mobilização propõe mostrar ao governo federal, ao Congresso Nacional e a toda sociedade o desequilíbrio das relações federativas e a centralização de recursos na esfera federal. O Poder Local na construção de uma nova realidade é o tema do encontro deste ano, e um desafio dos Municípios.
(Com informação do Blog Folha de São João Batista)


quarta-feira, 14 de maio de 2014

Lideranças da Baixada e Baixo Parnaíba declaram apoio a Flávio Dino

O deputado federal Pinto da Itamaraty (PSDB) esteve em reunião com Flávio Dino esta semana acompanhado por lideranças políticas de Palmeirândia. “O grupo trouxe seu apoio e solidariedade ao Flávio. É um grupo de vários vereadores, suplentes de vereadores de Palmeirândia e querem assumir seu apoio a Flávio na região”, disse.

O vereador Edinho (SDD) falou o motivo do apoio ao pré-candidato a governador. “Flávio Dino é a renovação para o Maranhão que estamos buscando. Pelo perfil e histórico político, nós achamos que Flávio é o melhor nome para o nosso estado”, disse.

O vereador aproveitou para conversar com o pré-candidato sobre a situação que o município se encontra. Conforme prioridades listadas, a população precisa de água para recuperar todos os poços, incentivo à agricultura familiar, transporte escolar. “Em todas as áreas precisamos do apoio do governo e, por isso, acreditamos no Flávio para mudar Palmeirândia”, continuou.

BAIXO PARNAÍBA

Lideranças de Belágua, São Benedito do Rio Preto e Urbano Santos, região do Baixo Parnaíba, estiveram em São Luís esta semana para reforçar o apoio ao pré-candidato Flávio Dino e discutir as primeiras propostas de Governo apresentadas no mês passado.
A professora Elke Ane Lisboa, de Belágua, destacou a proposta de qualificação aos educadores, compromisso firmado por Dino. “É uma necessidade do município melhorar a infraestrutura educacional, estender a oferta de cursos profissionalizantes e dar atenção especial a qualificação dos professores com mestrado e doutorado. Fico feliz por já compor o Plano de Governo de Flávio essa preocupação com os educadores e educação do estado”, disse. Ela destacou a necessidade de mais escolas na cidade.

O vereador Luís Augusto (PCdoB) frisou que o apoio a Flávio foi definido pela situação de baixo desenvolvimento em que se encontra o município de Belágua. “Nós temos esperança que vamos alcançar melhorias para o município. Estou vereador e muitas vezes vejo que não temos como assegurar saúde, educação e apoio à agricultura para a nossa população. Por mais que o trabalhador rural lute por sua sobrevivência, não tem como desenvolver sem tecnologia e sem assistência”, descreveu.

Wilson Viana, liderança de São Benedito do Rio Preto, entende que o Maranhão precisa de mudança. “O único nome que representa essa mudança de gestão é Flávio Dino. Como em todo Maranhão, São Benedito do Rio Preto tem as mesmas dificuldades. Nós tínhamos mais de uma escola, mas o Governo do Estado deixou apenas uma funcionando. Na saúde, as prefeituras não têm como gerir sozinha e não somos contemplados com ajuda do Estado”, disse. Conforme falou, a busca por atendimento médico é em Chapadinha. O incentivo à agricultura familiar foi outro problema destacado por ele. “Riqueza nós temos, mas precisamos de governantes com compromisso com o desenvolvimento do estado”, avaliou.

Liderança do Baixo Parnaíba, vindo de Urbano Santos, Raimundo PC disse que a mudança com Flávio Dino é uma forma de desenvolver o estado. “Vimos um atraso muito grande com uma família no poder há quase 50 anos que não desenvolve o nosso estado. Nossa esperança de dias melhores para o nosso povo é com Flávio Dino”, declarou.



segunda-feira, 12 de maio de 2014

Os meninos de Bacuri...

Ouve-se muito dizer por aí que a vida é cruel. É..., pode ser! Mas tem quem seja mais cruel que a vida. O homem que a possui. A vida é dádiva divina e não cabe aos homens interromper seu curso natural.

Nascemos todos para a vida. E procuramos vivê-la nos mais belos e vãos momentos. Sonhamos com futuros brilhantes na inocência pacífica de meninos. Queremos muitas vezes ser aquilo que é bem distante de nossas cruéis realidades, ainda mais aqui, nos lugares que, embora sendo, não parece que seja nosso. Mas e daí...? Sonhar não custa nada.

Como diz os versos de uma antiga canção “todo menino é um rei...”. E constroem em seus reinados de fantasia o sonho da felicidade eterna. Os meninos de Bacuri, um município como tantos deste grande Maranhão, também sonharam certamente sonhos de uma felicidade eterna. Cumpriam suas obrigações como filhos e como estudantes. Com certeza, pensavam um dia, mesmo driblando as dificuldades que a vida lhes impunha, que os seus futuros seriam promissores. Só sonharam. Pois não viveram o bastante. Havia no meio da estrada uma pedra, aliás, muitas pedras. Havia e há no meio dos sonhos destes meninos de Bacuri, e muitos outros municípios, homens muitas vezes insensíveis que não se veem responsáveis pela felicidade dos outros. O pequeno príncipe já nos ensina que “nos tornamos responsáveis por tudo aquilo que cativamos”.

A tragédia que se abateu sobre os estudantes do município de Bacuri parece algo anunciado por este Brasil afora. A realidade de lá, parece com a daqui e de acolá..., pois muitos haverão de assim dizer. O transporte de estudantes, ou não, em caçambas e carrocerias de caminhões, em paus-de-arara, sem a menor segurança, é quase uma constante em terras maranhenses, pra não irmos muito longe. (E não me digam as autoridades que não sabiam ou não sabem desta realidade!) Tudo isto porque não dispomos de uma política de governo nos municípios que estabeleça a educação como fator prioritário, e mais, esta situação piora quando não temos gestores públicos comprometidos e responsáveis com o bem estar da população de seus municípios.
É lamentável sobre todos os aspectos que gestores municipais cruzem os braços diante das demandas urgentes que borbulham em suas administrações. A educação precisa deixar de ser palavra eloquentemente propalada em discursos vazios, numa retórica declaradamente mentirosa, e passar a ser política responsável de todos, sem exceção.

Devem sentir vergonha todos os administradores que de alguma forma contribuem para alguma mazela na educação de seus municípios. Desde a falta do mais simples material didático, como lápis, caderno, borracha, o giz, passando pela ausência da merenda escolar, ao atendimento de um transporte escolar inadequado (como neste caso de Bacuri), à falta de professores, salários indignos ou na contratação meramente política dos agentes (professores e supervisores) da educação.

São igualmente idiotas todos os gestores que perdem a oportunidade de se tornarem notáveis em seus municípios. Perdem a credibilidade de seus munícipes, ao atrasarem salários, em descumprirem o que fora prometido, em não governarem ou governarem de forma desastrada e se encarapuçarem do manto da empáfia gestora. São tanto quanto imbecis os gestores que perdem a chance de entrarem para a boa história de seu povo, ao fazerem governos sérios, voltados ao bem estar da coletividade, ao invés de entrarem para a mais negra história, associados na maioria das vezes a atos ímprobos e à corrupção. Como se vê, Bacuri é só mais um entre muitos...

Transporte Escolar na maioria dos municípios maranhenses
Uma cultura mais humanística se faz por demais necessária aos nossos gestores municipais. O respeito e a humildade devem ser práticas recorrentes nas administrações de qualquer ente federado. Hoje mais do que nunca, os nossos gestores devem atentar para o que dizem os versos da canção “Tocando em frente”: “Cada um compõe a sua história/ e cada ser em si carrega o dom de ser capaz/ de ser feliz”. Em nossos municípios de alguma forma a história está sendo escrita. Pena que, às vezes, é escrita com letras manchadas de dor, lágrimas e decepções.

Espera-se que outros jovens sonhadores não sejam necessários sucumbirem à crueldade dos maus gestores, para que os ditos “homens da lei” possam levantar de suas cadeiras e verem o quanto de errado há em nossos municípios, seja na saúde, na segurança, como na educação. Espera-se igualmente que a sociedade seja mais criteriosa e organizada no momento de suas escolhas e decisões.


Que no mais, Deus esteja conosco, com os que morrem, com os que vivem e sobrevivem todos os dias à sanha destes homens maus.

(Artigo publicado no Jornal Pequeno deste domingo-  Edição de 11 de maio de 2014)