domingo, 4 de setembro de 2011

NOSSOS ADORÁVEIS GRINGOS: Brasileiros que cantavam em inglês

MATERIAL RETIRADO DO BLOG TUNEL DO TEMPO – UMA VIAGEM MUSICAL. http://dnstudio.blogspot.com

Na primeira metade dos anos 70, surgiu uma leva de cantores e grupos brasileiros que adotaram pseudônimos estrangeiros e passaram a gravar músicas em inglês. Na época, a música internacional no idioma inglês tomava conta do mercado fonográfico, muito por conta das trilhas sonoras das novelas televisivas. O sucesso dessas primeiras trilhas internacionais das novelas contribuiu para difundir este movimento "made in brazil", em que cantores brasileiros passaram a gravar temas na língua estrangeira para que suas gravações fossem inseridas nos discos de trilhas internacionais das novelas.
Mark Davis/Fábio Jr.
Para isso, tiveram que adotar nomes artísticos em inglês. Fábio Júnior, por exemplo, tinha dois alter-egos: Mark Davis e Uncle Jack. Como Mark Davis, emplacou o sucesso "Don't Let Me Cry", como Uncle Jack, fez sucesso com a música "My Baby".Nessa esteira, temos vários brasileiros que embarcaram nessa onda, alguns se deram muito bem, outros, sumiram completamente da mídia após o fim do movimento. Aqui estão músicas muito lembradas até hoje como “Feelings” (Morris Albert), “Me and You”, “We Said Goodbye” (ambas com Dave McLean), “Hey Girl” (Lee Jackson), “Tell Me Once Again” (Light Reflections), “I’m Gonna Get Married” (Sunday) e “Pidgeon without a Dove” (Patrick Dimon). Chrystian, cujo nome verdadeiro é José Pereira da Silva, emplacou em todo o Brasil, a balada “Don’t Say Goodbye”, em 1974. Seu irmão Ralf, sob o pseudônimo Don Elliot, cantava covers como “One Day in Your Life” (Michael Jackson) e “My Love for You” (Johnny Mathis). O falecido Jessé também usava dois pseudônimos: Christie Burgh e Tony Stevens (com este alter-ego emplacou em todo o Brasil as baladas "If You Could Remember" e "Flying High"). Michael Sullivan(nome verdadeiro, Evanilton), estourou com dois grandes sucessos: "My Life" e "Sorrow". Depois que o movimento acabou, participou dos Blue Caps e depois dos Fevers. No final dos anos 80, fez muito sucesso como compositor e produtor em dupla com Paulo Massadas.
Os Pholhas
“Naquele tempo era difícil as emissoras conseguirem os direitos de grandes nomes internacionais, daí essa leva de artistas cantando em inglês ter sido um achado”, diz Hélio Costa Manso, ex-integrante do grupo Sunday.“Ficávamos no corredor da gravadora esperando informações sobre o personagem que ganharia o tema. A música, o arranjo, tudo era composto ali, em um ou dois dias, sob encomenda”, conta Chrystian.Os depoimentos do Hélio Costa Manso (ele fazia parte do Sunday e também tinha carreira solo como Steve MacLean) e Chrystian confirmam a tese de que as trilhas sonoras das novelas foi o que impulsionou este movimento de cantores brasileiros com pseudônimos estrangeiros a gravarem músicas em inglês. Boa parte destes artistas eram músicos e cantores competentes. A maioria vinha do circuito de bailes, como Os Pholhas, Sunday, Light Reflections (ex-Os Bruxos, da Jovem Guarda) e o Lee Jackson. Outros eram profissionais de estúdios de gravação, como os Harmony Cats.Quanto ao idioma inglês, aí sim, pesava contra todos eles as dificuldades do desconhecimento da lingua. "As letras eram compostas por quem não sabia nada de inglês e corrigidas por quem tinha alguma noção", diz Hélio Costa Manso. Os Pholhas tinham um método original de compor. Eles tiravam os versos de suas canções de um livro dos anos 30 chamado Inglês Como Se Fala. "A gente achava uma frase legal, copiava e depois tentava emendar com outras do mesmo livro", confessa Oswaldo Malagutti, ex-baixista do grupo. Para não ser desmascarados, os artistas evitavam fazer espetáculos e se apresentar na TV, o que os prejudicava bastante do ponto de vista financeiro. "Em 1973, eu estava estourado em todo o Brasil com a canção Dont't Say Goodbye. Podia ter ganho um bom dinheiro, se não fosse tão difícil encarar um show ao vivo", diz Chrystian. Pernambucano radicado no Rio de Janeiro
Michael Sullivan
Um fato curioso ocorreu com o cantor Ivanilton de Souza Lima (O Michael Sullivan): em 1975 ele compôs uma linda balada e a intitulou de "My Life". Na hora de lançar o disco pelo selo Top Tape, teve de escolher um nome internacional. Abriu a lista telefônica de Nova York e escolheu Michael Sullivan. "My Life" entrou na trilha sonora da novela O Casarão, mas Michael continuou a faturar como Ivanílton – ele era vocalista da banda Renato e Seus Blue Caps. "O chato é que eu cantava My Life com o grupo e tinha de ouvir das pessoas que a versão da novela era melhor", diverte-se.A mania dos cantores internacionais made in Brazil começou a decair no início dos anos 80, quando a música brasileira ganhou mais espaço nas rádios. "As gravadoras sentiram que a longo prazo era mais negócio investir no Martinho da Vila do que na gente", pondera André Barbosa Filho, integrante do Light Reflections, que em 1972 vendeu 1 milhão de compactos da música Tell Me Once Again.

 MORRIS ALBERT - O MAIOR DE TODOS

Morris Albert (hoje)
Muitos deste artistas sonhavam em fazer sucesso em outros países. Apenas um deles conseguiu: o carioca Maurício Alberto Kaiserman, aliás, Morris Albert. "Feelings", canção que compôs e gravou em 1973, está entre as músicas mais executadas em todos os tempos. Chegou a ganhar versões de Frank Sinatra e Julio Iglesias. Recentemente o grupo americano Offspring, fez uma releitura satírica do hit. A carreira de Morris Albert declinou ainda nos anos 70. Depois de "Feelings" ele ainda conseguiu emplacar mais dois hits nas paradas, "She's My Girl" e "Conversation".Mas o pior estava por vir. Nos anos 80, o compositor francês Lou Lou Gasté processou Morris Albert por plágio, alegando que Feelings seria cópia de uma composição sua, Pour Toi. Morris perdeu a causa e teve de entregar 3 milhões de dólares a Gasté. Nunca mais se recuperou do baque. Hoje, ele vive em Toronto, no Canadá, onde dirige um estúdio de gravação.
Pholhas em formação atual
Vários dos artistas daquela época permaneceram em evidência, com seus nomes verdadeiros ou mantendo os pseudônimos. Michael Sullivan, por exemplo, e até mesmo o Chrystian, que formou ao lado do seu irmão Ralf (Don Elliot), a dupla Chrystian & Ralf. Outros retornaram aos seu nomes verdadeiros e conseguiram alavancar a carreira ainda com mais sucesso, como Fábio Júnior e Jessé. Mas a grande maioria destes artistas mudaram de ramo, quando este movimento "made in Brazil" começou a decair. André Barbosa Filho (integrante do Light Reflections, conforme citado no início), é hoje professor de rádio e TV da Universidade de São Paulo, USP. "A certa altura, delirando com o sucesso, chegamos a pensar que poderíamos estourar também no exterior", relembra ele. "Naturalmente, tudo não passou de ilusão." O sonho acabou, ou melhor, The Dream Is Over. (RSTONE)

Fontes consultadas: - Site Teledramaturgia Brasileira
Revista Veja (Edição de 27/10/1999 - matéria de Sérgio Martins)

Um comentário:

  1. Caro amigo, o seu link já está no Barradocordanews.com


    Abraço

    Ivan Silva

    ResponderExcluir